Eddie – Morte e Vida (tweet post)

O som de Pernambuco sempre agradou ao Ventiladores, a Banda Eddie especialmente é uma das que consegue melhor traduzir a riqueza da terrinha do Frevo. Enquanto a Nação Zumbi ficou conhecida pelo peso do maracatu, o Eddie tem uma sonoridade mais festiva e preguiçosa, como um carnaval que já dura um tempão mas ninguém nem cogita em parar, no máximo diminuir o ritmo.

Morte e Vida não faz feio diante da discografia da banda, consegue equilibrar frevo, rock, samba e reggae com alguns toques novos de bolero fazendo as canções ficarem ainda mais poéticas e sentimentais. O vocalista Fábio Trummer entra no sexto disco com maturidade produzindo e compondo praticamente tudo.

Baixe: Sendspace

Combo X – A Ponte

São Benedito, sempre preocupado com os mais pobres do que ele, aqueles que não tinham nem o alimento diário, retirava alguns mantimentos do Convento, escondia-os dentro de suas roupas e os levava para os famintos que enchiam as ruelas das cidades. Conta a tradição que, em uma dessas saídas, o novo Superior do Convento o surpreendeu e perguntou: “Que escondes aí, embaixo de teu manto, irmão Benedito?” E o santo humildemente respondeu: “Rosas, meu senhor!” e, abrindo o manto, de fato apareceram rosas de grande beleza e não os alimentos de que suspeitava o Superior.”

Bem amigos do Ventiladores, eis que vos trago boas novas vindas de Pernambuco! terrinha de Gilmar Bolla 8 da Nação Zumbi e voz nesse projeto paralelo, que parece ser uma constante para os integrantes da antiga banda de Chico Science, assim como Pupillo que atua como produtor, Dengue que toca no 3namassa e Sonantes, Lúcio Maia que gravou solo como Maquinado e Gustavo da Lua com seu Afrobombas sem disco lançado ainda formam uma ramificação enorme que só enriquecem mais esses prolíficos músicos, já que nem sempre cabe a estética nem o número de canções na banda principal, que depois do 3º disco parece estar meio perdida em meio a tantas agendas separadas

Bolla 8 adotou o projeto que era uma espécie de bloco para o carnaval da comunidade de Peixinhos em Olinda e passou a compor algumas idéias, em cima de Voz e percussão, Ele volta ao Manguebit old school, moleque, de “raiz” em A Ponte como formar de homenagear o saudoso Chico Science mas também com as diversas participações, produções e mixagens diferentes, cada faixa tem uma “cor” única que torna o disco meio doido e nos dá um resultado sensacional, um disco para fãs de Maracatu, Funk, Rock, Rap e claro da Nação.

Baixe:<a href="http://www.mirrorcreator.com/files/0VFM8NPU/Combo_X_-_A_Ponte.zip_links

Eddie – Veraneio

Novo album da banda Eddie  que já tivemos o prazer de apresentar no ventiladores, sensacional como sempre misturando os sons tradicionais do nosso querido nordeste com o rock, temos mais um album que não tem grandes novidades mas consegue agradar o ouvido sem grandes pretensões, é como reencontrar velhos amigos pra mais uma conversa, o sentimento de familiaridade toma conta do ambiente, mas sempre tem espaço pra surpresas.

É a música brasileira mostrando que tem muita a acrescentar apesar da insistência de muita gente ignorar o que é feito em terras da índia ocidental, largue de vez em quando aquela banda indie de Ipswich que só você conhece e venha ouvir um som de qualidade feito por compatriotas.

Ouça/Baixe: No site da banda http://bandaeddie.com.br/ ou o link direto aqui

Academia Da Berlinda – Olindance

“Adocica meu amor Adocica!…”

Ah esse meu nordeste!, esses sons latinos e africanos! o sangue caliente conquista o Ventiladores nesse post.

Exagerei um pouco no caliente mas tá valendo, temos um verdadeiro mix de sons aqui e claro que há um flerte com o brega e a lambada, mas temos sons muito mais legais nessa mistura e melhor! cantado em bom e claro português por nomes como Jorge Du Peixe (Nação Zumbi), Fred 04 ( Mundo livre S/A) além de reforços instrumentais do Eddie e da Orquestra  contemporânea de Olinda.

Coco, Forró, Carimbó, Maracatu, Cumbia, Manguebeat, Afrobeat, Guaracha,Rock, Samba…. a lista é extensa e divertida como a banda, mantendo a tradição de fazer graça junto com crítica cultural e social do povo do hemisfério sul e ainda funcionar como música para dançar e curtir no vazio da sua casa, de fundo na reunião com os amigos ou ainda num amontoado de corpos humanos se trombando numa festa ao ar livre.

Olindance é uma brincadeira de resgatar sons bregas e trazê-los para uma perspectiva mais bem aceita pelo público “cool” e ao mesmo tempo enaltecer sons tradicionais de várias regiões, a proposta me lembra vagamente o Ozomatli.

Baixe e Ouça no Trama (De graça para você, remunerado para o artista): http://tramavirtual.uol.com.br/academia_da_berlinda.

Maquinado – Mundialmente Anônimo

O negócio é que 2010 foi o ano do Brasil em relação a produção de música boa, os fãs de polka romena me desculpem, mas é FATO, o cenário musical brasileiro nunca foi tão interessante nos ultimos sei lá 15 anos. Finalmente essa jossa chamada Brasil reaprendeu a fazer música de qualidade. Sem desmerecer os artistas bons que tivemos no meio do caminho, mas eles nunca foram tão numerosos, e tão anônimos, ( ha! piadinha estupida com o titulo do album) sim o cenário indie é um dos principais motores dessa onda de música de qualidade. E nada como um dos precursores dessa revolução sonora, Maquinado (ou Lúcio Maia) guitarrista da Nação Zumbi para introduzir esses artistas brasileiros.

O Problema ou Solução é que fica cada vez mais dificil de rotular esses caras, a orgia sonora é grande e não respeita nenhum limite imposto pelo homem. Não há mais uma vertente sonora que se pode relacionar a  um grupo, como dizia aquela música do Planet: “eu pego o rock, rap, harcore, eu pego o ragga, misturo a porra toda e continuo a minha saga” mas você pode adicionar uma porrada de coisas: dub, samba, manguebeat, maracatu, fica a gosto do cliente.

Maquinado seria uma colagem de ritmos, mais fácil assim. E porquê você deveria ouvir essa bagunça? Pensei em explicar as faixas pra te induzir a ouvi-lô, mas acho que ninguém ia ler um texto de 15000 caracteres. Então vou usar dos subterfúgios da critica especializada, que dizem que é um dos melhores albums de 2010 (não que esses caras sejam confiáveis) mas é realmente dificil explicar um album tão variado, vamos só dizer que Maquinado é conhecido como o Jimi Hendrix brasileiro, tá bom pra você?

Ouça no Trama o primeiro album dele : http://tramavirtual.uol.com.br/artistas/maquinado

Baixe: http://www.maquinado.com.br/ de graça, sem necessidade cadastro nem porra nenhuma só passar o mouse onde está escrito magnético, disponibilzado pelo próprio artista e ainda com extras encontrados só no link do site \o/.

Banda Eddie – Metropolitano

Привет,

Hoje eu vim postar manguebeat, olinda, sol, caranguejo, mangue, miséria, favela, fome.

Banda Eddie é tudo isso, ou como descreveria melhor o título de umas das faixas de seu último cd, Carnaval no Inferno: “Eu tô cansado dessa merda”, uns loucos de Olinda vêm gravando um som do caralh* desde 1989 e só chegaram aos meus ouvidos hoje, eu ia postar uma banda toda cheia de frescura do canto obscuro do indie-folk americano, a famigerada Beirut, que apesar de suas singularidades não tornaram-se nenhum fenômeno no mundo, a não ser no Brasil, graças sua participação na composição da trilha sonora da mini-série Capitu. Agora, porquê as garras do canal de televisão que rendeu um documentário intitulado Além do Cidadão Kane, produzido pela BBC de Londres, não chega em coisas genuinamente geniais do nosso acervo nacional, pq a Banda Eddie transita no único meio de apoio a novas bandas que é a Trama e em blogs obscuros. Revoltem-se brasileiros, ou afundem na merda, que segundo a Banda Eddie “…tá chegando no pescoço…”.

Não vou me arriscar em uma descrição de algo que eu conheci a uma hora, porém, vou utilizar a descrição redigida pelo blog http://www.doktorestranho.blogspot.com/ , que é a oficial da banda.

“Eddie (release) Olinda, 1989. Datar como de costume, como de costume, na Marim dos Caetés, quebrada-cenário de nossos manuais de história e chapações. “Lembra quando Nassau…? E daquela cachaça?” Duvido! Mas, recordo que foi neste ano que ouvi Pixies+Ramones+Dead Kenneds+frevo, entre outros pesos e bossas, ecoar na rua do Sol (salve o velho Pocolouco!). Todos liquidificados num só nome: Eddie. A verdade é que desde o fogo holandês que varreu a velha vila, não se via tanto calor, transformado agora em massa sonora. Olinda e seus arredores, ainda pré-manguebeat, traduzia sua pegada, seus tipos, seus desejos, em 3 acordes e muita maloqueiragem – o Original Olinda Style em seu legítimo cavalo… Mas as labaredas do incêndio, desta vez, não ficaram só por ali. Propagaram-se pelo mundo nas turnês da banda pelo Brasil e pela Europa (2005, 2006, 2007). Espalharam-se também através dos seus 4 registros em discos, tocados nos mais dignos sound-systems: Sonic Mambo (Roadrunner, 1998), Original Olinda Style (independente, 2002), Metropolitano (independente, 2006) e Carnaval no Inferno (independente, 2008). Hoje, depois de várias formações, a Eddie é composta por Fábio Trummer (guitarra & voz), Urêa (percussão & voz), Andret (trompetes, teclados & samplers), Kiko (bateria) e Rob (baixo), contando sempre com a parceria especial de Erasto Vasconcelos, o verdadeiro farol de Olinda. Um escrete com sonoridade própria, cheia de grooves peculiaríssimos e experimentações inflamáveis. Capaz de incendiar até o mais frio dos terreiros do velho mundo, de levantar o fogo morto de ritmos quentes abafados pelo discurso da tradição, como o próprio frevo (o hit “Quando a maré encher” é frevo, meu bem!), entre outras façanhas infernais. Fica, então, o alerta: a Eddie é combustão certeira. Cuidado, principalmente se você brinca com álcool…”

Por Roberto Azoubel, a.k.a. Doutor Estranho

É isso aí, curtam um manguebeat muito bom, eu não tive tempo de ouvir a todos os álbuns, mas em uma primeira impressão eu gostei mais do 3. – Metropolitano, muito bom, principalmente o uso dos metais.

Não achei o álbum para vender, juro.

Então baixem 75% discografia, que eu garimpei em vários blogs.

2. álbum – Original Olinda Style (2003): http:Feijão Tropeiro

3. álbum – Metropolitano (2006): 4Shared

4. álbum – Carnaval no Inferno (2008): http://tramavirtual.uol.com.br/artistas/banda_eddie (Download Remunerado)